Maricá conclui hoje vacinação de crianças indígenas


A prefeitura de Maricá, na região metropolitana do Rio de Janeiro, conclui hoje (15) a vacinação das crianças indígenas, na aldeia Sítio do Céu, em Itaipuaçu, distrito do município. Primeira cidade do estado a iniciar a vacinação infantil contra a covid-19 nesta sexta-feira (14), Maricá realizou a aplicação das doses pediátricas em dez crianças indígenas de 5 a 11 anos de idade, na aldeia Mata Verde Bonita, em São José do Imbassaí. A pequena Sofia da Silva (Yva Mirim), de 8 anos, foi a primeira criança a receber o imunizante.

Comorbidades

Também neste sábado, o município inicia a imunização das crianças de 5 a 11 anos com comorbidades, como câncer, diabetes, insuficiência cardíaca, entre outras, ou com deficiência permanente, na sede do Serviço de Atendimento de Reabilitação Especial de Maricá (Sarem), até as 13h.

A vacinação continuará na segunda-feira (17) até sexta-feira (21) para as crianças desse grupo prioritário, entre 9h e 16h, igualmente no Sarem. As crianças com dificuldades de locomoção severa poderão receber a vacinação em casa, agendando na sua Unidade de Saúde de referência.

A secretária municipal de Saúde, Solange Oliveira, lembrou que a vacina é segura, eficaz, e importante para romper a cadeia de transmissão do vírus. “O país está em um processo atrasado de contemplar crianças de 5 a 11 anos com a vacinação, e essa faixa etária se tornou um elo na cadeia de transmissão do vírus durante as festas de fim de ano. Nosso objetivo em Maricá é interromper logo esse elo. Hoje começamos a vacinar crianças indígenas na aldeia onde temos mais de 40 famílias, e onde houve casos de crianças contaminadas ao longo da pandemia. Precisamos proteger essa população mais vulnerável”.

Calendário

A expectativa é que imunização para as crianças em geral comece na segunda-feira (24), após a vacinação dos grupos prioritários e respeitando a ordem decrescente das idades, desde que haja doses suficientes disponíveis, seguindo o recomendado pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde.

O responsável legal deverá apresentar o laudo médico que comprove a comorbidade ou a deficiência permanente, além de certidão de nascimento ou documento de identidade da criança. Serão vacinadas as crianças com comorbidades ou deficiências listadas no PNI.



AGÊNCIA EBC

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on print
Print