Pela 1ª vez na Câmara de Paula Freitas, a convite da vereadora  e procuradora da mulher Karina, o Juiz Mattioli fala sobre violências contra crianças

São 17 anos de trabalho e, de forma inédita, o magistrado palestrou na Casa de Leis se dirigindo aos parlamentares do município. Abuso Sexual de Crianças e Adolescentes e Violência Doméstica tangenciaram sua abordagem, após convite feito pela vereadora e procuradora da mulher Karina Souza Rosa e acatado pela mesa diretora. Carlos Mattioli mencionou ações desenvolvidas na Vara da Família e se colocou à disposição de Paula Freitas.

O juiz destacou que o objetivo atual da Justiça, por meio do Conselho Nacional, é de ser “essencialmente preventivo”, evitando o agravamento das situações. Buscando também meios alternativos à sentença, tentando promover o diálogo antes de sentenciar o réu envolvido numa tratativa judicial. Esse é o foco do seu trabalho, puxado por sua gestão junto à equipe e pautado em assuntos de cidadania e bem-estar social.

O projeto de Combate à Evasão Escolar, em curso há mais de 14 anos, é um dos diferenciais entre os 38 existentes na Vara da Família e CEJUSC, coordenados por Mattioli. Ação essa desenvolvida em conjunto com o Núcleo Regional de Educação (NRE) e Ministério Público (MP). No caso, as abordagens visam identificar violências e demais assuntos que levam crianças e adolescentes em não estarem na escola.

Carlos Mattioli, falando do tema proposto, citou a existência de 87% dos casos de violência contra crianças e adolescentes têm vínculos familiares. “O índice de práticas de tais crimes é assustador”, frisou. Emendando a questão aos casos de violência contra a mulher, em altos índices e com dificuldades de a vítima buscar por Justiça ou então se afastar de uma relação agressiva e abusiva contra si.

A compreensão dessas práticas criminosas, em especial contra crianças e adolescentes, é difícil de detectar até pela inocência. “Elas não chegando até a Câmara gatinhando, com suas chupetas, pedido por justiça”, ilustrou. Disso a necessidade da rede de proteção, em funcionamento na Comarca, para a detecção desses casos. Sustentado também no seu trabalho de criar vínculos por meio de palestras do magistrado e redes sociais.

Os mecanismos de escuta “de estender de mão” puxados pelo juiz, proporciona esse acesso para receber esses casos de violências, bem como, esse assunto é previsto em lei, proteção de crianças e adolescentes como prioridade. Carlos Mattioli se colocou à disposição para abordagens públicas e para atender as pessoas pelas redes sociais. Numa amplitude de trabalhar em conjunto para promover esses espaços de escuta.

Da assessoria do CEJUSC

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on print
Print